29
Jul

Em internacionalização muitas empresas apostam na estratégia do “toca e foge”. Estabelecem um primeiro contacto (através de uma feira ou evento particular), apostam em apenas meia dúzia de contactos, mas fazem-no à distância e desaparecem para nunca mais serem vistas. A entrada num novo mercado baseia-se na confiança. “Toca e foge” é tudo menos confiança.

Estabelecer uma imagem positiva no mercado é essencial. Criar relacionamentos próximos, demonstrar empenho, gerar segurança e confiança. Depois de iniciada a relação é preciso fazê-la funcionar. Manter uma comunicação continuada, sistemática, apostar numa intervenção sólida e integrada.

Dress to impress! Se a festa é de gala vamos de smoking. Se tem hipótese de ganhar muito mais também deve apostar em criar as melhores condições para tal.

Embarcar num processo de internacionalização é um passo determinante na história de uma empresa. Envolve um conjunto infindável de ferramentas, métodos e técnicas e inúmeras variáveis a tomar em consideração.

É um outro patamar, com novas regras, exigências e características. Significa enfrentar novos desafios, dar resposta a novas exigências. Implica uma estrutura sólida, um posicionamento bem definido, uma estratégia coesa, uma imagem excelente, e isto só para começar.

Tem os seus desafios mas vale muito a pena. É um processo de grande dimensão que deve ser encarado como tal. Não deve ser deixado por mãos alheias. Escolha quem sabe ou vai acabar por pagar por não o ter feito.

José Villa Cardoso
ACDD | GFN

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *