29
Jul

Ultimamente tem vindo a ser sistematicamente anunciado por diversas entidades, desde o governo, às associações empresariais, passando por diversos fóruns de política económica, e comentadores de economia, que a internacionalização das Pequenas e Médias Empresas é imprescindível para a sua sobrevivência dada a queda abrupta do consumo interno.

Se isto é verdade, e com relativa facilidade se conclui que de facto o é, também é verdade que as Pequenas e Médias Empresas portuguesas em geral, estão muito longe de estar preparadas para iniciarem de forma consistente o seu processo de internacionalização. E por internacionalização podemos estar somente a falar de exportação, pois nem sempre ou quase nunca mesmo, internacionalização é sinónimo de investimento em filiais ou sucursais noutros países.

A generalidade das Pequenas e Médias Empresas portuguesas, começam logo por não possuir uma identidade corporativa bem definida e consentânea com as exigências da concorrência internacional. Este é um dos factores impeditivos básicos do sucesso na abordagem aos mercados internacionais.

A falta de uma Visão e Missão claramente definidas é outro handicap sério à abordagem dos mercados internacionais. As empresas devem saber para onde querem ir. Devem saber com total clareza qual é a sua Missão: o que fazem, para quem o fazem, como o fazem.

A recolha de informação sobre os mercados internacionais é fulcral. E aqui estas empresas deparam-se com dificuldades inerentes à falta de investimento em pessoas com formação e experiência adequada. Este perfil de pessoas só ultimamente tem vindo a ser dinamizado com o acesso generalizado dos alunos dos cursos superiores a programas universitários como, por exemplo, o Erasmus.

Enfim, é relativamente fácil concluir da necessidade de internacionalização das nossas PME, mas é preciso investir ainda muito na preparação das mesmas para esse processo. E quem tem de o fazer prioritariamente são elas mesmas. Aos seus empresários, pede-se-lhes coragem e vontade de realização: um bem escasso por estes dias.

Miguel Matos
CEO APAMM

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *